Blog

Artigos do seu interesse

Drogas, um mundo de solidão e sofrimento, mas que tem tratamento

Neurologicamente a drogadição deve ser considerada uma doença, pois está ligada a alterações na estrutura e funções cerebrais, e isso a torna uma doença cerebral.

Inicialmente, o uso de drogas é um comportamento voluntário, mas com o uso prolongado, um “interruptor” no cérebro parece ligar-se, e quando o “interruptor” é ligado, o indivíduo pode entrar em um estado de dependência química caracterizado pela busca e consumo compulsivo da substância de escolha, que pode ser álcool, tabaco, maconha, cocaína, crack, ecstasy, e inúmeras outras.

Devemos entender a dependência química como uma doença bio-psico-social-ecológico-espiritual, formada por componentes biológicos, psicológicos, de contexto social e espiritual. É claro que as estratégias de abordagem e o tratamento para que seja verdadeiramente eficaz, deve incluir, igualmente, elementos: biológicos, psicológicos(emoções, sentimentos e comportamentos), micro sociais (incluindo a família), macro-sociais (incluindo a sociedade), ecológicos (conexões diversas) e espirituais(propósito e sentido para a vida).

Escreva sua mensagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Autismo

O Transtorno do Espectro Autista (TEA) é considerado um transtorno do neurodesenvolvimento. Isso significa que esta é uma …

Dependência química: a doença dos vínculos e a importância da família no tratamento

Vínculos frágeis entre o jovem e as fontes primárias de socialização: família, escola, e amigos, são fatores de risco …